12.16.2017

[Resenha] Quando o Mal Tem um Nome

SINOPSE: “Sinto medo. O tipo de medo que persegue até a presença de outras pessoas. Segue até a luz e entra nas cobertas. Não está debaixo da cama ou dentro armário. Está em minha pele e tem um nome. Não pergunte. Não descubra. Nunca saiba o nome do seu medo, ou irá chamá-lo... Seus lábios podem estar selados, mas sua mente repetirá: Donavan... Donavan... Donavan.”
Na Aparecida dos anos 70, uma cidade erguida no centro de um milagre, conhecemos a história de Marta e sua filha Clara. De sua terra cultivada por fé a malignidade cresce no coração de uma mãe devota. As orações que a padroeira não atende são feitas agora para eles: anjos caídos. Ela não deveria saber o nome do demônio que atendeu sua prece, e a abominação despertada é tão grande que todos vão pagar pelo seu pecado. O mal só precisava que alguém o chamasse pelo nome e agora está entre nós.

Quando a querida Glau me convidou para ler o lançamento dela fiquei super feliz. Logo no dia que ela me mandou o livro já comecei a ler, infelizmente por algumas peripécias do destino acabei tendo que deixar ele de lado para terminar algumas leituras acumuladas.

Agora eu preciso que vocês visualizem como eu sou: sou uma pessoa que ama terror, e apesar disso morro de medo de algumas situações. Por exemplo aqueles que tem descrições como sendo baseados em fatos reais. Confesso a vocês que sou uma pessoa seriamente impressionável. Sonho seguidamente com coisas que leio ou assisto, e são sonhos bem vividos.

Então logo na primeira parte da leitura do livro da Glau (antes de precisar parar) eu li o seguinte:
Nota da autora
[...] — Donavan.
Ele falou baixo. Mas o som em perfeita compreensão, olhando para a televisão não pareceu notar que dissera alguma coisa. Meu marido chegou de viagem aquele dia, um dia antes do previsto, poucas horas atrás eu tinha iniciado a escrita desse material. Sem conhecimento, pois eu não havia comentado nada com ele e o computador estava desligado. Ele falou esse nome, um nome incomum para nós.
— Por que você disse esse nome? — Perguntei de imediato
— Que nome?
— Esse nome, por que falou Donavan?
— Falei? — Ele pensou um pouco sem compromisso. — É falei. Sei lá. — E começou a rir. — Que cara é essa? — perguntou.
— Esse é o nome do demônio — respondi a ele.
— Tá amarrado! — E continuou rindo.
Olhei para o notebook e ele permanecia fechado, o relógio dizia que não fazia uma hora que meu marido estava em casa. Não era uma brincadeira dele. Não tinha como ele saber de todas essas coisas, pois eu mesma não sabia. Essa foi a primeira vez que eu pensei que Donavan não era um demônio que eu havia criado. Ele era real e queria algo de mim. Meu marido dormiu sem compartilhar de meus temores eu permaneci acordada naquela madrugada, transcrevendo a história deles. O mal existe, quer acreditemos ou não, mas se você acreditar ele ganha força. Pode ganhar forma.
E, se você tiver muito azar, ele pode ganhar um nome. 
Donavan.
Ai você já podem imaginar o estado que fiquei, li só a nota da autora e logo depois precisei parar. Eu sonhei com esse nome por mais de uma semana. Detalhe: eu só li a nota inicial do livro. 

Então quando tive um dia mais tranquilo peguei o livro para ler. li de uma vez, sem parar, a não ser quando meu marido me chamou pra almoçar e eu quase almocei lendo para vocês terem uma noção de tudo, e posso dizer que não me senti tão incomodada e imersa em um livro de terror desde que li Horror em Amytiville há uns 15 anos atrás.

O Enredo:

Toda a história tem um estopim, em Quando o Mal tem um Nome esse estopim é o desejo de Martha de que o bebê em seu ventre seja uma menina, ela já tem dois meninos e deseja desesperadamente uma menina para lhe ensinar e lhe fazer companhia. Assolada por esse desejo ela acaba indo a uma clinica e descobre o sexo da criança, outro menino. Atordoada com a noticia ela encontra uma cigana na rua e ela lhe passa o contato de alguém que pode lhe ajudar.

Martha é uma mulher que tem a sua fé em Nossa Senhora abalada, ela fez promessas e rezou para ter seu desejo atendido, quando não consegue ela acaba sucumbindo a um pecado enorme.

Faça uma oração antes de dormir e deixe a luz acesa. Se vir a fé em seus olhos, talvez vá embora. Mas ele virá.

Depois de cometer o seu grande pecado ela entende que o que fez foi horrivel, ela consegue o que quer e uma bela menina nasce. Maria Clara é uma criança esperta, quieta (e assustadora) Martha sabe que deve fazer algo e volta a religião tentando consertar o seu grande erro.

Martha consegue conter Maria Clara por um tempo, mas acaba se perdendo e deixando Clara e sua família desolada depois de uma perda horrível.

O martírio chega mesmo para Maria Clara depois de vários incidentes horríveis, ela não e uma pessoa normal e se vê assombrada pelos pecados de sua mãe. Acaba caindo em tentação assim como Martha e o que vem depois define uma fase atemorizadora na sua vida.

Glau trouxe neste livro uma pressão psicológica tão intensa que ficamos esperando um baque a qualquer momento. O mais intenso é ver que o mal não tem uma cor, não se pode distingui-lo tão facilmente do bem. Afinal quem está ali para ajudar e quem está para ferir? Como esperar o bem quando quem deveria fazer o bem não se importa?

— Por que um demônio iria querer vir até à casa de Deus, minha jovem?
— Por que o senhor iria até a casa do demônio, padre?
— Para levar a luz até ele.
— O demônio também tem seus planos.

Quando o Mal tem um Nome foi assustador, sem ter grandes chacinas sangrentas, monstros horripilantes, fantasmas horríveis. Ele tem algo muito interessante no final...

CUIDADO spoiler terrível

...que é você não saber quem realmente venceu!  Como saber se o mal triunfou? Impossível! 

Eu realmente espero ter esse livro em mãos um dia, e em uma boa editora porque está em um nível muito alto. Eu colocaria ele entre os grandes mestres do terror. Recomendo muito esse livro pra quem gosta de um bom terror psicológico e que gosta de sentir alguns calafrios enquanto lê!

Cabe dizer que o livro tem figurado entre os 100 mais vendidos da Amazon desde o seu lançamento, e ao que tudo indica não tem previsão para sair de lá, no momento que escrevi esta resenha ele estava com as seguintes posições:



MINHA NOTA




FICHA TÉCNICA 

Autor: Glau Kemp
N° de Páginas: 204
Editora: Independente
Onde ComprarAmazon
Livro cedido em parceria com a autora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colaboradores